O menino do pijama listrado – como não ler?

Recentemente, quando cheguei em casa, notei uma caixa de papelão em cima da minha escrivaninha. Havia chegado uma encomenda pra mim. Nem tinha pedido nada, mas como estava no meu nome, já fui abrindo sem nem pensar duas vezes.

Aí, me deparei com o livro “O menino do pijama listrado”, uma surpresinha que meu namorado tinha mandado aqui pra casa, de presente <3

1236219_10153234004540311_215801362_n

 

Eu vi o filme e já me apeguei na história, então, obviamente, eu teria que ler o livro – questão de princípios!

Dei uma apressada no Lord of the Rings – uma leitura eterna, praticamente – e assim que terminei este, já peguei meu novo livro.

Mal comecei e já percebi que a escrita do autor é bem leve, que faz com que você passe os capítulos rapidamente sem nem notar. O personagem principal, Bruno, é um menino de nove anos, que acaba tendo que se mudar de Berlim para uma outra cidade, pois o pai – um oficial nazista – havia sido transferido. Inicialmente, Bruno detesta o lugar, já que é longe de tudo, não há crianças para brincar e seus melhores amigos não estão lá.

Então, ele nota que, ao longe, existe uma cerca e dentro dela há várias pessoas vestidas num mesmo pijama listrado. Curioso, decide explorar o local – escondido dos pais – e conhece Schmuel, um menino judeu que tem exatamente a mesma idade que ele. Assim, os dois iniciam uma amizade – entre os dois lados da cerca.

Mesmo já tendo visto o filme e sabendo o que acontece, é difícil largar o livro. A temática é pesada, por sem ambientada na época da Segunda Guerra Mundial, mas é de fácil leitura. A apreensão do clímax é passada para o leitor meio que de forma subjetiva, não há nada descrito de maneira explícita, o que não atrapalha em nada saber o que realmente está acontecendo.

Outro aspecto interessante é perceber o desenvolvimento dos personagens, mesmo sendo um livro curto, você nota a mudança nos pensamentos de Bruno, na percepção de sua mãe acerca das coisas que estão ocorrendo, e principalmente, no comportamento da irmã. Somente o pai, que, pelo que eu percebi, continuou o mesmo, apenas o ponto de vista em torno dele que foi mudando durante a história.

Gostei bastante de ter lido, o contexto em si sempre me interessou e é difícil eu não me interessar por livros e filmes que se passam durante a Segunda Grande Guerra. Porém, “O menino do pijama listrado” encanta pela ótica ingênua de Bruno, que acaba por não ver o que acontece de verdade ao seu redor, mesmo morando na mesma casa de um oficial nazista. O pouco que ele fica sabendo, não entende e se questiona. Interessante pensar quantas pessoas naquela época podem ter passado pelos mesmos sentimentos de dúvida de Bruno, e simplesmente terem ido no sentido da correnteza por falta de reflexão. E quantas outras, que assim como Schmuel, tiveram suas vidas acabadas em sofrimento, sem nunca entenderem o porquê.

Enfim – até porque se eu começar a falar mais profundamente, não páro maislivro recomendado!

Anúncios

8 comentários sobre “O menino do pijama listrado – como não ler?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s